Folha acerta em podcast sobre prisão de Daniel Silveira

Com as tecnologias digitais, as rádios começaram a criar, cada vez mais, suas versões on line, numa adaptação inevitável às novas formas de produção e circulação de conteúdos. Nesse contexto, passaram a ganhar crescente protagonismo os podcasts, com marcas do gênero radiofônico e adaptações possibilitadas pelos novos aportes tecnológicos.

Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados.

Em 2018, a Folha de São Paulo, assim como Volt Data Lab e Piauí – lançou seu primeiro podcast, comandado pelo jornalista Rodrigo Vizeu:  “Presidente da Semana”. Inspirado na série Presidential, do Washington Post, conta de forma cronológica a história de todos os presidentes do Brasil.  Também foi Rodrigo Vizeu que, ainda em 2018, passou a conduzir “Eleição na Chapa”, parceria entre a Folha e o Spotify, voltado para a corrida eleitoral.

Finalmente, em 2019, continuando a apostar nas possibilidades do podcast, hoje um dos veículos mais populares do jornalismo no mundo, a Folha de São Paulo criou, em parceria com a plataforma Spotify, o “Café da Manhã”, apresentado por Magê Flores e Rodrigo Vizeu. São episódios diários, que vão ao ar de segunda à sexta, às seis horas da manhã. Entendendo que a crítica de mídia está intrinsecamente ligada à busca da qualidade jornalística, quando esta última é verificada torna-se imperativo destacar o mérito, dizer de onde veio. O mérito aqui ressaltado é justamente do Café da Manhã, do dia 17 de fevereiro, voltado para a exposição e, principalmente, aprofundamento e contextualização da prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), assunto que dominou o noticiário nas diferentes mídias.

Distante do relato superficial, meramente burocrático, que deixa dúvidas em quem recebe a informação, o episódio, com duração de 32 minutos, ofereceu uma abordagem aprofundada, a partir de entrevista com um especialista em direito e ciência política. Depois dos seis minutos iniciais – com a exposição dos fatos relativos à prisão do deputado e suas respectivas causas –  os jornalistas entrevistaram, por cerca de 26 minutos, Conrado Hübner Mendes, doutor em Direito e Ciência Política e colunista da Folha, com o objetivo de levar o ouvinte a “entender os dilemas jurídicos e os efeitos políticos do caso”.

Assim, durante quase meia hora, foram destacados aspectos como: a necessidade do correto entendimento do que significa liberdade de expressão; a Lei de Segurança Nacional, criada na ditadura militar; a importância de uma jurisprudência bem administrada, “estável”, que impeça possíveis arbitrariedades. Esses temas, entre outros incluídos no episódio, sem dúvida permitiram ao receptor uma compreensão mais precisa acerca da prisão de Daniel Silveira e suas implicações, bem como propiciaram a fundamental reflexão, esperada na prática do jornalismo de qualidade.

O “Café da Manhã” é um bom exemplo de como a mídia tradicional pode sair do lugar comum, dos relatos engessados, superficiais.

***

Ivana Barreto é jornalista, doutora em Literatura Brasileira e coordenadora do Observatório de Mídia do Curso de Jornalismo da UFRRJ, onde também é professora.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *